Pesquisas definem vencedores nos estados

Candidatos de oito estados e do Distrito Federal lutam para conquistar o eleitor às vésperas da eleição

No próximo dia 31 de outubro, pouco mais de 11 milhões de brasileiros vão às urnas para eleger, além do futuro presidente, o governador de seu Estado. Há uma semana das eleições, candidatos de oito estados e do Distrito Federal fortificaram as estratégias de campanha para conseguir conquistar a vitória no segundo turno.

A maior parte dos locais em que haverá a votação fica na região Norte. São quatro Estados: Pará, Rondônia, Roraima e Amapá. Os demais colégios eleitorais são Distrito Federal, Alagoas, Paraíba, Piauí e Goiás.

No Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT) lidera a corrida eleitoral no segundo turno com 53% das intenções de voto, segundo o Ibope. A mulher de Joaquim Roriz (PSC), Weslian Roriz (PSC), que entrou de última hora na disputa no lugar do marido, atingiu 35%. Considerando somente os votos válidos, que exclui os brancos e nulos, Agnelo venceria com 60%, contra 40% de Weslian.

No Amapá, a primeira pesquisa realizada no segundo turno mostra Camilo Capiberibe (PSB) em primeiro lugar na preferência do eleitorado, com 50% das intenções de voto. Segundo o Ibope, Lucas Barreto (PTB) tem 43%. Os votos brancos e nulos somam 4% e os indecisos são 3%.

Empate técnico

Em Goiás, o levantamento demonstra que Marconi Perillo (PSDB) tem 48% das intenções de voto e Íris Rezende (PMDB) tem 44%. Como a margem de erro da pesquisa é de 3%, para mais ou para menos, há empate técnico entre os dois candidatos. Os votos brancos e nulos somaram 3%, e os eleitores indecisos 5%.

Analistas indicaram que o crescimento da campanha de Íris, que perdeu no primeiro turno, deve-se a dois fatores: O apoio do PDT ao PMDB e PT, definido pelo ministro do Trabalho Carlos Lupi, e a liberação de R$ 3,728 bilhões, pelo Governo Federal na semana passada, para salvar da falência a estatal Celg. Por fim, a presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em comício de Dilma, em Goiânia, podem ajudar Íris Rezende e o PT.

Na pesquisa de votos válidos, Marconi tem 52% das intenções contra 48% de Íris Rezende. A margem de erro é de 3%, para cima ou para baixo.

Logo após o resultado do primeiro turno em Goiás, Íris e Perillo (PSDB) resolveram modificar as estratégias de campanha. Para isso, novos marqueteiros foram contratados com o objetivo de angariar mais votos.

Apesar das mudanças na propaganda política, os dois candidatos mantiveram o foco nos ataques no rádio e na televisão. A estratégia é a apontar um ao outro como o governador que menos cumpriu promessas. Questões como o transporte público, habitação e educação são usadas nos ataques mútuos.

Reeleição

Em seis estados, os atuais governadores disputam a reeleição. São eles: Alagoas, Piauí, Paraíba, Pará, Roraima e Rondônia. Segundo o Ibope, até agora apenas o Piauí aponta uma vitória do atual governador, Wilson Martins (PSB).

Primeiro lugar nas urnas no primeiro turno, o governador Wilson Martins (PSB), que concorre à reeleição no Piauí, tem 53% das intenções de voto para o próximo dia 31. O tucano Sílvio Mendes aparece com 42%. Na projeção dos votos válidos, os que contam para a eleição – subtraindo nulos e brancos -, o candidato do PSB teria 56%, contra 44% do tucano.

Coligado ao PT e mais sete partidos, Martins conseguiu apoio da base aliada de João Vicente Claudino (PTB), que ficou em terceiro nas votações do primeiro turno da eleição.

A primeira pesquisa do segundo turno realizada na Paraíba mostra que Ricardo Coutinho (PSB) tem 52% das intenções de voto, contra 40% do seu adversário José Maranhão (PMDB), atual governador e candidato à reeleição. A diferença entre os dois candidatos é de 12 pontos percentuais.

Ricardo Coutinho, que chegou ao segundo turno com uma votação maior que o seu adversário durante o pleito de 3 de outubro, aparece pela primeira vez à frente do atual governador nas pesquisas de intenções de votos realizadas na Paraíba, desde o início da campanha até o presente momento.

No primeiro turno, a diferença entre os dois candidatos foi de apenas 8.367 votos. Coutinho teve 49,74% dos votos válidos. Maranhão, que no dia da eleição chegou a afirmar que esperava se reeleger no primeiro turno, terminou em segundo, com 49,30%. O atual governador é apoiado por Lula e tem um petista, Rodrigo Soares, como candidato a vice.

Em Roraima, a pesquisa estimulada do Ibope aponta o ex-governador Neudo Campos (PP) como o mais votado no segundo turno. O candidato do PP continua à frente na preferência dos eleitores e tem 55% dos votos válidos contra 45% do atual governador e candidato à reeleição, José de Anchieta Júnior (PSDB). No primeiro turno, Campos teve 104.804 votos válidos (47%) contra 99.124 (45%) de Anchieta.

O candidato do PMDB ao governo de Rondônia, Confúcio Moura, lidera a disputa eleitoral no Estado com 52% das intenções de voto, segundo pesquisa Ibope. O atual governador e candidato à reeleição, João Cahulla (PPS) tem 39%.

Em Alagoas, o Ibope mostrou que o candidato à reeleição, Teotônio Vilela (PSDB) está em primeiro lugar, com 48% dos votos válidos, enquanto Ronaldo Lessa (PDT) apareceu com 40%. Considerando apenas os votos válidos, Teotônio tem 54%, contra 46% de Ronaldo.

O resultado da votação para governador de Alagoas, no primeiro turno, contrariou os institutos de pesquisa e apontou para o cenário aparentemente menos provável. A definição das urnas foi de encontro a todos os levantamentos, que em nenhum caso apontou um segundo turno entre o governador Teotônio Vilela Filho (PSDB) e Ronaldo Lessa (PDT). Todas as pesquisas previam um segundo turno com a participação do senador Fernando Collor de Mello (PTB), que acabou ficando fora da disputa.

Com a definição do segundo turno, Vilela e Lessa iniciaram uma disputa quase “plebiscitária”, que põe em discussão os oito anos do governo Lessa (1999-2006), contra os últimos quatro de Vilela – o qual Ronaldo apoiou na eleição de 2006.

A primeira pesquisa Ibope realizada no Pará apontou a vitória do candidato do PSDB, Simão Jatene. De acordo com o Instituto, o tucano tem 60% das intenções de votos válidos contra 40% da petista Ana Júlia Carepa, que tenta a reeleição.

O levantamento mostra que a candidata petista não obteve crescimento em comparação ao primeiro turno das eleições. De acordo com o Tribunal Superior Eleitoral, Ana Júlia conseguiu 36,05% dos votos válidos – Jatene, 48,92%.

A pesquisa do Ibope foi realizada no período em que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e a candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, visitaram o Estado. Juntos, eles participaram de um comício em Ananindeua, na região metropolitana de Belém, pedindo votos para Ana Júlia Carepa.

Os números demonstram que a presença de Lula e Dilma, ao menos por enquanto, não surtiu o efeito desejado pelos petistas.

Rejeição

Ana Júlia Carepa apresenta um alto índice de rejeição (42%), e vem apresentando dificuldades para atrair aliados. O último que declarou seu apoio à candidata foi o ex-governador tucano Almir Gabriel, que pouco representa em termos de peso eleitoral entre os paraenses.

No passado, Gabriel era aliado de Jatene (seu ex-afilhado político), com quem rompeu por ter perdido a eleição de 2006 para Ana Júlia Carepa. Nesta eleição, o ex-governador apoiou e fez campanha para Domingos Juvenil (PMDB) no primeiro turno.

A adesão de Almir Gabriel à campanha de Ana Júlia reacendeu críticas da oposição. O ex-governador sempre foi responsabilizado pelo PT pelos problemas sociais e ambientais do Pará dos últimos 16 anos. O PT também o acusa de ser o autor intelectual do massacre de Eldorado dos Carajás.

Foi no governo de Gabriel, em 1996, que 19 trabalhadores rurais ligados ao Movimento dos Sem-Terra (MST) acabaram mortos pela Polícia Militar durante a desobstrução da Rodovia PA-150.

No entanto, o ex-governador foi recebido com festa por Ana Júlia Carepa e pela Democracia Socialista (DS), ala que, embora minoritária dentro do PT paraense, controla os principais cargos no governo.

CORRIDA ELEITORAL

6 Estados têm governadores concorrendo à reeleição no segundo turno. Destes, apenas o Piauí pode repetir a vitória do atual governador, Wilson Martins (PSB), segundo o Ibope

42 por cento do eleitorado do Pará desaprova o governo da petista Ana Júlia Carepa, que disputa a reeleição com Simão Jatene (PSDB). O tucano lidera a as intenções de voto.

 

Julianna Sampaio

Diário do Nordeste

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s