‘Jucalândia’ ajuda até a ex-sogra

O senador Romero Jucá (PMDB), que sonha em presidir o Congresso e governar o Estado, faz de Roraima um feudo familiar

 

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado

BOA VISTA – Nomeado pelo então presidente da República, José Sarney, para governar o antigo território de Roraima no final dos anos 80, o pernambucano Romero Jucá estabeleceu-se na região e construiu um império inspirado em seu padrinho político. Assim como a família Sarney controla o Maranhão há décadas, Roraima transformou-se num feudo da família Jucá. O poder desmedido do hoje senador e líder do governo Lula permitiu nomear até a ex-sogra, de 78 anos, como “assessora”.

Dida Sampaio/AE - 19.11.2010

Dida Sampaio/AE – 19.11.2010

Senador controla duas emissoras repetidoras de TV

A “Jucalândia” – como definem personagens dos meios político e jurídico de Roraima ao falar do poder do clã – inclui o controle, por meio de terceiros, de duas emissoras repetidoras de TV, Record e Bandeirantes, e a rádio Equatorial 93,3 FM. A Band está em 8 dos 15 municípios.

No plano político, o alcance é mais amplo. Num Estado onde vivem 400 mil pessoas e detém o voto mais caro do País, o líder do governo Lula assegurou mais oito anos no Senado, conseguiu eleger a ex-mulher e ex-prefeita de Boa Vista Teresa Jucá deputada federal, e o filho mais velho, Rodrigo Jucá (o “Juquinha”), deputado estadual – o segundo mais votado. Levando-se em conta apenas o dinheiro contabilizado, Roraima exigiu um “investimento” de R$ 120 por voto.

Governo 2014, Num cenário esboçado por analistas políticos locais para os próximos anos, a partir do resultado das eleições deste ano, Romero Jucá pode se tornar governador em 2014. O projeto de poder passa, antes, pela recondução de Teresa Jucá à Prefeitura de Boa Vista em 2012 e pela eleição de Rodrigo para a presidência da Assembleia Legislativa.

No plano nacional, Jucá faz movimentos discretos para se candidatar à presidência do Senado, caso Sarney não tente se reeleger. Em 2005, quando assumiu o Ministério da Previdência Social, não completou seis meses na pasta, após a avalanche de denúncias que o tiraram do cargo.

“Com o poderio que eles têm na mão, é possível (a concretização desse cenário)”, comenta o atual presidente da Assembleia Legislativa, Mecias de Jesus (PR), uma das poucas vozes de oposição a Jucá no Estado, além do senador Mozarildo Cavalcanti (PTB). “O governador deu metade do governo pra ele, sendo que na outra metade ele já mandava. Ele virou o rei do Estado”, resume Mecias. Para exemplificar, afirma que na ausência do governador reeleito Anchieta Júnior (PSDB), Jucá até “convoca reuniões do secretariado”.

Família empregada

Jucá domina diversos órgãos no Estado, como a Funasa, na área de saúde, e a Companhia de Desenvolvimento de Roraima (Codesaima), uma autarquia na área de infraestrutura. Um dos exemplos mais visíveis da influência do senador nesses órgãos é o ex-coordenador regional da Funasa Ramiro Teixeira, atual presidente da Codesaima.

O senador é “padrinho” da indicação de Teixeira para o comando da Funasa no Estado em 2005. No entanto, ele deixou o cargo após ter sido preso, em 2007, no âmbito da Operação Metástase da Polícia Federal, apontado como líder de um esquema de fraudes em licitações na Funasa. Teixeira acumula a presidência do órgão com o cargo de conselheiro administrativo.

A Codesaima, que obteve poucos meses antes da eleição autorização da Assembleia Legislativa para contrair empréstimo de R$ 140 milhões, é apontada como cabide de empregos do governo local. Somente em abril, 80 pessoas foram nomeadas para cargos em comissão. Entre elas, a ex-sogra de Romero Jucá, dona Aurélia Saenz Surita, mãe de Teresa. Com mais de 78 anos, ela foi empossada como “assessor de diretor”.

Além disso, o senador emplacou a enteada Luciana Surita, filha de Teresa, no governo estadual. Há dois anos ela comanda a Fundação Estadual de Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia de Roraima (Femact).

A nomeação de Luciana só foi possível após a aproximação de Jucá de seu ex-adversário político, José de Anchieta Júnior. Na eleição de 2006, ambos estavam em lados opostos e Jucá perdeu a corrida para o governo do Estado para Ottomar Pinto (PSDB). Na época vice-governador, Anchieta assumiu o comando do Estado após a morte de Ottomar, em 2007.

Gafanhoto

Com uma economia precária, Roraima responde por apenas 0,1% do PIB brasileiro e sobrevive às custas de recursos federais. A penúria é tão patente, que as secretarias de Estado funcionam com telefones cortados por falta de pagamento. No entanto, mais da metade da população consta da folha de pagamento do governo estadual, inclusive a primeira-dama, Shéridan Steffany de Oliveira, nomeada pelo marido para a Secretaria Extraordinária de Promoção do Desenvolvimento Humano, com salário de R$ 15 mil.

“O povo tem saudades dos gafanhotos. O gafanhoto é que é bom: come e deixa comer”, filosofa o taxista Francisco, que transportou a reportagem em Boa Vista.Ele se referia ao escândalo que estourou em 2003, quando a Polícia Federal descobriu 5 mil funcionários fantasmas, indicados por políticos, na folha de pagamento estadual.

Apontado como um dos mentores do esquema – e recentemente condenado a seis anos de prisão -, o deputado Jalser Renier (DEM) sobrevive na política local. Ele é líder do governo Anchieta Júnior (PSDB) e um dos aliados locais de Jucá.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s